Páginas

08 outubro, 2012

Solange Farkas, importante curadora internacional, fundadora do Vídeo Brasil, de Feira de Santana, ex- Diretora do Museu de Arte Moderna da Bahia, numa postagem no facebook nos conclamava a acordar sobre a realidade política baiana E A situação de abandono dramático. Cumpria o movimento que muitos deflagaram no desejo da deposição do atual prefeito de Salvador. Por tal motivo escrevi este texto desbafo, contrariando o movimento que cresce a cada dia na forma de FORA JOÃO HENRIQUE!


Eu estou acordado, sempre estive, inclusive nos dias das duas eleições que o colocaram no poder, com a ajuda do Sr. Mário Kertz, que com sua experiência de radio e TV encenou seu teatro desestabilizador para favorecer este JÃO sem braço, é, não tem braço, usa rodo, para recolher seus quinhões. Parece um parvo, e o é, como o pai, que EU VI Antônio Carlos Magalhães com o dedo - o mesmo que quase furou o general no elevador - o dedo na cara do então Governador, pai deste prefeitinho de bosta, duro como um poste que ACM prometera eleger, e o fez, o poste? O Pai do prefeito, que vestido em pele de cordeiro (carneiro?) que em verdade sempre foi uma hiena, tal qual o filho, uma hiena fervorosa na fé da acumulação pela escala secundária, como uma boa hiena que vive de restos deixados pela oligarquia "aristocrática" de ACM. Neurótico, comum, sujeito sem expressão alguma, veio da crendice deste povo de Salvador que tem que se fuder com este prefeito até o final do mandato. DENTRO JOÃO HENRIQUE, tem que ficar até o final. Esta cidade não sofre com tragédias a não ser pelo seu temperamento mesquinho, pelas suas opções burras, a história prova isto, por isso tem que arder no granito de suas próprias escolhas, mesmo que custe o que assistimos, o completo abandono administrativo, a mais dramática falta de capacidade de gerência, o mais cínico e aberto apelo ao lobby escroto que ele pratica porque sabe que o povo é parvo, submisso, resignado, ignorante, vaidoso (?), egocêntrico, egoísta, ressentido, dissimulado, invejoso, mal educado, grosso, arrogante(?), roto, hedonista, superficial e tantos quantos adjetivos que a paciência permitir na classificação do prefeito e sua cidade, é, a cidade é deste patureba inculto tal qual o povo que o elegeu. Por isso digo, DENTRO JOÃO HENRIQUE, que ele assanhe a sanha das dores "hemorróidicas" desta cidade cloaca, mal lavada, fedida, urina de sua educação ordinária ejetada em suas paredes porcas por secreções tantas. Odeio admitir a afirmação do antropólogo risonho e capenga, (não sei de onde vem tanta alegria num intelectual perneta), mas ele acertou quando sempre insistiu que Salvador não é do CANDOMBLÉ, Salvador é EVANGÉLICA, por isso este prefeito. Não adianta estrilar, Ghandi não tem efeito, mesmo com tantos Filhos, Maomé tem menos correligionários que Barrabás, e o Partido de Pedro está completamente perdido em sua identidade, não sabe se Gregório ( o Papa, nunca o poeta, jamais) ou Padre Marcelo e congêneres. Agora já se fala no judeu Mário Kerts para a próxima eleição, mais um sacerdote cuja crença recai nos dotes financeiros que na fé em si, já foi prefeito, e não chegou a ser governador por impaciência e arrogância contra o velho cacique de cabeça branca, seu criador. A ressurreição paira no ar da cidade, não a ressurreição da cidade, mas dos velhos costumes que nunca foram abandonados, aprimorados sim, pela turma da esquerda que assumiu o poder no susto etílico. Na terra da fé venceram os incrédulos da ordem marxista burguesa. É, uma nova classe se criou no Brasil do BRIC, tão absurda quanto a China, e vai lá saber dos outros subdesenvolvidos entalados na merda economica sem o timão do progressivismo sacana da globalização. Mataram DEUS, os Orixás não dão conta, espera-se o Messias com os infernos nas mãos, como pano de fundo o governador carioca nunca conseguiu tranfusão de sangue baiano porque sua circulação sempre ocupada com as AGUAS DE SCOTLAND, não benta. Moral da história: A GENTE SOMOS INÚTIL, A GENTE TAMO LASCADO, e la nave va. Fui.
Vauluizo Bezerra Salvador 09.01.2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário